Parecer CNE: Quem concorda?


Quero transcrever, do site da ZERO HORA, para compartilhar com minhas colegas educadoras e alfabetizadoras, e com quem mais interessar:

Veja o que muda com o parecer do CNE sobre a educação no Ensino Fundamental

Parecer já foi homologado pelo ministro da Educação, Fernando Haddad

Com a publicação de um parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) na terça-feira, novas diretrizes curriculares para o Ensino Fundamental de nove anos passam a ser consideradas.

Veja o que muda com o parecer do CNE:

— O parecer recomenda que os alunos dos três primeiros anos do Ensino Fundamental não sejam reprovados;

— As três primeiras séries do Ensino Fundamental passariam a ser consideradas um só ciclo para garantir que o aluno seja alfabetizado na idade correta;

— Em vez de aprovação ou repetência, seriam determinadas "expectativas de aprendizagem" para cada fase;

— A ideia é que o sistema ajude a reorganizar os currículos das escolas, hoje muito pautados por avaliações como a Prova Brasil e o Exame Nacional do Ensino Médio.

Fonte:http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a3140516.xml
Acesso em 13/12/2010


E, o que pensam Esther Grossi, do Geempa, com quem concordo, e Osvino Toillier, presidente do Sinepe:


Para educadora, obrigação de aprovar alunos no Ensino Fundamental é uma "falsidade"

Recomendação do Conselho Nacional de Educação propõe que os alunos dos três primeiros anos não sejam reprovados

A publicação de um parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) que traça novas diretrizes curriculares para o Ensino Fundamental de nove anos criou polêmica nesta segunda-feira no país. A nova recomendação propõe que os alunos dos três primeiros anos do Ensino Fundamental não sejam reprovados.

Para a educadora Esther Grossi, do Grupo de Estudos sobre Educação, Metodologia de Pesquisa e Ação (Geempa), o aluno "padece" por não aprender e ser passado de ano.

— A escola dizer a ele que ele aprendeu é uma falsidade — afirmou.

Já o professor e presidente do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS) Osvino Toillier acredita que há crianças que se alfabetizam mais cedo que outras, o que não as impede de estudarem juntas.

— Há a possibilidade de se reconstruir [o aprendizado] em um novo período, em um outro nível: eu posso não ter aprendido e buscar isso depois — disse.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a3140787.xml
Acesso em 14/12/2010.

E agora, colegas??? O que vocês pensam sobre isso? Eu concordo com a Esther...

3 comentários:

{ Édina Dutra } at: 13 de dezembro de 2010 16:53 disse...

Sem dúvidas! Também concordo com a Esther!!!!!

{ Léa Marques } at: 14 de dezembro de 2010 14:26 disse...

Até quando certos educadores irão fingir que ensinam e alunos irão fingir que aprendem????? Concordo em gênero, número e grau com a Esther!!!! Sempreeeee!!!!

{ SUPERINTENDÊNCIA DA ÁREA DE ENSINO FUNDAMENTAL } at: 15 de dezembro de 2010 11:05 disse...

Concordamos com a Esther, pois muitas crianças são promovidas sem saber ler e elas têm consciência disso, elas ficam se questionando o por quê de terem sido promovidas se não sabem tanto quanto seus colegas de turma,mas a professora as promove sem dar uma justificativa e diante desse fato muitas chegam até a desistir da escola.